Selecione uma categoria:

PODRIDÃO FLORAL

A podridão floral dos citros, conhecida popularmente como “estrelinha”, é causada pelo fungo Colletotrichum acutatum. Ele afeta flores e frutos recém-formados de quase todas as variedades de citros de interesse comercial. De modo geral, a doença é mais frequente e danosa nos pomares de laranjeiras doces, limões verdadeiros e limas ácidas. As infecções podem ocorrer

Ácaro da leprose

O ácaro da leprose dos citros (Brevipalpus phoenicis) é considerado uma praga-chave para a citricultura brasileira por atacar frequentemente as laranjeiras doces durante todo o ano e causar grandes prejuízos quando não controlado adequadamente. Além de gerar danos diretos às plantas infestadas, ele é vetor potencial do vírus “Citrus Leprosis Virus” (CiLV), agente causal da

Em 2022, já foram registrados 36 produtos de baixa toxicidade para o controle de pragas O Ato n° 23 do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, publicado nesta quarta-feira (25), no Diário Oficial da União, traz o registro de 52 defensivos agrícolas formulados, ou seja, produtos que efetivamente estarão disponíveis para

Os agricultores brasileiros estão produzindo 272 milhões de toneladas de grãos em 2022, contribuindo mais uma vez para colocar alimentos na mesa de 800 milhões de pessoas em todo o mundo. Esse trabalho, porém, é complexo e o seu sucesso depende de alguns fatores incontroláveis. Em 2021 e nos primeiros meses deste ano, a estiagem

por André Amarildo Sezerino A agropecuária e o agronegócio ocupam papel relevante no desenvolvimento socioeconômico da maioria dos estados brasileiros por meio da geração de emprego e renda para milhares de famílias dos meios rural e urbano. O desempenho do agro é influenciado por diversos fatores: clima, área cultivada, tamanho das criações, tecnologias empregadas, custos

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), ciente da necessidade de conscientizar o produtor rural sobre o manuseio adequado de defensivos agrícolas para auxiliar no desenvolvimento sustentável da agricultura nacional, lançou no início de maio mais uma etapa de seu treinamento em uso correto e seguro de defensivos agrícolas, que aborda

As boas práticas entre a apicultura e a agricultura foram temas de duas aulas realizadas pelo programa Colmeia Viva, do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), nos dias 8 e 9 de fevereiro, em Maringá (PR). Estiveram presentes mais de 70 pessoas entre fiscais e técnicos. O treinamento foi ministrado pelo

Tagged under: ,

Quando o Brasil começou a plantar café, no início do século XIX, os agricultores não imaginavam que a bebida se tornaria essencial para a economia do território até então subordinado à realeza de Portugal. Mais de 200 anos depois, o país – agora uma República – contabiliza mais de 1,9 milhão de hectares de cafezais,

Tagged under:

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) acaba de lançar o quinto módulo do treinamento de uso correto e seguro de defensivos agrícolas – em sua plataforma de treinamentos online –, que aborda a importância da aviação agrícola, as principais culturas beneficiadas, a regulamentação específica da atividade e seu papel além

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) é parceiro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Programa Nacional de Habilitação de Aplicadores de Agrotóxicos e Afins, intitulado “Aplicador Legal”, lançado em 17 de março, em Brasília (DF), em atendimento ao Decreto 10.833, de outubro de 2021. “Como representante da

O projeto “Agrocooperação – uma consciência, inúmeros benefícios” – iniciativa da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) do Mato Grosso do Sul com apoio do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) – iniciou as atividades do ano com a realização de live sobre a

Tagged under:

Elasmopalpus lignosellus e Scaptocoris castânea. Essas palavras estranhas são bem conhecidas para quem cultiva algodão em todo o país, pois são, respectivamente, os nomes científicos da lagarta elasmo e do percevejo castanho, os principais insetos que atacam a plantação e podem causar a perda total da produção brasileira, hoje, estimada em 7 milhões de toneladas, de acordo

Tagged under: ,
TOP