SINDIVEG lança nova campanha publicitária contra defensivos agrícolas ilegais

Há 13 anos, o SINDIVEG iniciou a campanha contra os defensivos agrícolas ilegais devido ao aumento do contrabando do Paraguai ao Brasil. Até 2010, produtos falsificados representavam apenas 5% das apreensões, porém, ano passado esse número cresceu para 50%, ou seja, ganharam mercado na comercialização ilegal e se equipararam aos de contrabando.

Por conta dessa realidade, o SINDIVEG lançou, neste mês, uma nova fase da campanha publicitária contra os agroquímicos ilegais. A ideia é conscientizar os agricultores e as revendas sobre os riscos que esse tipo de atividade pode trazer não só para a plantação, como também para o patrimônio do agricultor, ao seu negócio, à sua família, à saúde e ao meio ambiente.

Nos primeiros meses, entre novembro/2014 e março/2015, a campanha impactará as regiões de Barreiras e Luís Eduardo Magalhães, na Bahia; Sinop e Sorriso, em Mato Grosso; e Rio Verde, em Goiás. Os meios utilizados para divulgação serão painéis, colocados nas principais estradas e vias públicas das cidades; cartazes e folders em revendas; e spot nas principais rádios das regiões.

“Essa ação dá continuidade ao nosso trabalho de prevenção do uso de defensivos agrícolas ilegais, contrabandeados e falsificados; e também ao trabalho educativo de conscientização dos riscos desses produtos às lavouras brasileiras”, afirma Fernando Henrique Marini, Gerente de Produto do SINDIVEG.

É importante lembrar que a campanha nacional contra os defensivos ilegais mantém, há 12 anos, o serviço Disque Denúncia para dar suporte à ação das autoridades. Trata-se do 0800-940-7030. Mais de 12 mil ligações já foram recebidas nesse período.

A ligação é gratuita e as denúncias são repassadas diretamente às autoridades policiais. O Disque Denúncia não utiliza identificadores de chamadas ou “binas” e não solicita ao denunciante que se identifique. Ou seja: a denúncia é anônima.

IMG01

Compartilhe agora:
Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *