Imprensa - Posicionamento e Releases


Posicionamento sobre o Projeto de Lei 6.299/2002

O setor de defensivos agrícolas é favorável ao PL 6.299/2002, que tem por objetivo modernizar a legislação que regulamenta a produção e comercialização de pesticidas no Brasil. O Projeto de Lei não flexibiliza ou facilita o registro destes produtos, e sim inclui critérios objetivos na avaliação, respeitando metodologias científicas, que assegurem a competitividade da agricultura brasileira, sem prescindir dos aspectos de segurança dos produtos…

Leia mais

 


Esclarecimento sobre registros de pesticidas no Brasil

Com relação aos registros de pesticidas concedidos pelo Governo brasileiro no ano de 2018,
o Sindicato Nacional da Indústria de produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) esclarece
alguns pontos…

Acesse na íntegra


Dados preliminares IBGE

Em relação à informação de que houve aumento de 21% no uso de defensivos agrícolas no Brasil, conforme divulgado em alguns veículos da imprensa, o Sindicato Nacional da Indústria de produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) esclarece que o aumento indicado no Censo Agropecuário 2017, publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 20,4% e refere-se ao número de estabelecimentos que utilizam defensivos no País, e não à quantidade de produtos.

Acesse na íntegra


Nota de Repúdio Entidades – Ameaça de bomba em sessão na Câmara dos Deputados

O Sindiveg, ABCBio, Abifina, Aenda, Andef e Unifito repudiam ação durante a sessão na Comissão Especial na Câmara dos Deputados, na última quarta-feira, 20/6, onde houve uma ameaça de bomba, causando tumulto e gerando temor entre os presentes, além de interromper e adiar as discussões sobre a modernização da legislação atual. O Greenpeace assumiu a autoria do ocorrido.

Acesse na íntegra


Posicionamento Entidades – Relatório do Deputado Luiz Nishimori

Em busca da modernização do setor de defensivos agrícolas, entidades acreditam ser necessária a alteração da lei 7.802/89, que regulamenta a produção e comercialização de defensivos agrícolas no Brasil. É fundamental esclarecer que esta alteração não exclui o rigor científico e a transparência no processo de registros, que são essenciais para a segurança e o desenvolvimento da indústria nacional.

Acesse na íntegra

 


1 2 3